12 de abr de 2012

A SOLIDÃO É COMO CHUVA


A SOLIDÃO É COMO CHUVA

Sobe do mar nas tardes em declínio;
das planícies perdidas na saudade
ela se eleva ao céu, que é seu domínio,
para cair do céu sobre a cidade.

Goteja na hora dúbia, quando os becos
anseiam longamente pela aurora,
quando os amantes se abandonam tristes
com a desilusão que a carne chora;
quando os homens, seus ódios sufocando,
num mesmo leito vão deitar-se: é quando
a solidão com os rios vai passando...

Rainer Maria Rilke
In o livro das imagens

Nenhum comentário:

Postar um comentário