14 de jul de 2012

CHUVA


CHUVA
(Onestaldo de Pennafort)

II

A chuva canta. Que tristeza imensa
num fio tênue de água se condensa!
E as fontes choram no jardim, lá fora.
Porque a água sempre, quando canta, chora?

Se ela estivesse aqui... Se ela viesse
escutar o seu nome
que meus lábios toma a forma de uma prece...

Se ela soubesse quanto me consome
a sua ausência, que é uma tarde fria,
ela, decerto, voltaria...

E se ela aqui voltasse,
eu não diria que essa chuva é pranto,
nem que esse pranto me põe rugas pela face...

Porque se ela voltasse, eu cantaria tanto,
que as lágrimas da chuva cessariam
e as fontes no jardim se calariam
para ouvir a alegria do meu canto!

Nenhum comentário:

Postar um comentário