19 de out de 2014

CHUVA MÚLTIPLA



—O céu se liqüefaz, e é pura dádiva,
bênção de Deus à gleba ressequida.
—Como chove! Hoje o mundo acaba em água.
Morreremos talvez antes de frio...
—Amor! olha que céu! Felicidade
ele proclama, em fogos de artifício.
—Qual o novo Terror que assim desata
ruivos espasmos de fuzilaria?
—É Deus! é Deus que chora um pranto amargo
sobre as tolas cabeças de seus filhos.
—O céu é feito uma oficina. Olhai os
seus gritos rubros de metalurgia!
—São Pedro está zangado. Ouve seu látego
estalando no céu! Dorme, querido...

Anderson Braga Horta
In Incomunicação (1977)

Nenhum comentário:

Postar um comentário